>>>RBSO: modelo lógico de um programa de retorno ao trabalho

RBSO: modelo lógico de um programa de retorno ao trabalho

A incapacidade para o trabalho após um adoecimento ou lesão tem gerado grande custo social e financeiro para os sistemas de saúde, trabalho e seguridade social em vários países no mundo e, também, no Brasil. Trata-se de um fenômeno complexo, porque envolve decisões pessoais e administrativas vinculadas a interação do indivíduo com a incapacidade e com os demais atores sociais e instituições envolvidas. Essa complexidade é ainda mais marcante quando o afastamento do trabalho é longo e há rompimento da comunicação entre o trabalhador e a empresa, ou quando há conflitos na abordagem do tratamento clínico.

O retorno à vida produtiva após o adoecimento requer o desenvolvimento de ações coordenadas que abordem o problema na sua complexidade, sendo elas: terapêuticas (indivíduo/trabalhador), de intervenção nos ambientes e processos de trabalho e de articulação entre os atores sociais e instituições envolvidas. Em muitos casos, quando as barreiras ao Retorno ao Trabalho (RT) não são removidas ou minimizadas, o trabalhador pode permanecer afastado do trabalho ou manter-se trabalhando adoecido, caracterizando o presenteísmo, com agravamento do quadro clínico e perda de produtividade.

Em um estudo publicado pela Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (RBSO), pesquisadores organizaram e avaliaram Programas de Retorno ao Trabalho (PRT) de indivíduos afastados por incapacidade, decorrente de lesões sofridas no ambiente laboral, e sua importância para o Sistema Único de Saúde (SUS). Confira aqui o artigo na íntegra.

By | 2019-08-02T11:43:03-03:00 2 de agosto de 2019|Saúde no trabalho|Comentários desativados em RBSO: modelo lógico de um programa de retorno ao trabalho