>>>ANAMT participa de reunião do conselho deliberativo da AMB

ANAMT participa de reunião do conselho deliberativo da AMB

A presidente da ANAMT, Dra. Marcia Bandini, participou nesta sexta (15) de uma reunião do conselho deliberativo da Associação Médica Brasileira (AMB), na qual ela abordou as realizações da atual gestão da Associação e das mudanças legislativas em torno das regras para o Registro de Qualificação de Especialista em Medicina do Trabalho. “Que fique registrado aqui que vamos continuar lutando pelo reconhecimento e pelo respeito à Medicina do Trabalho, com a força de quem representa a 6ª especialidade em número de médicos no Brasil – caminhando para ser a 5ª”, pontuou Dra. Marcia em sua fala.

O presidente da AMB, Dr. Lincoln Ferreira, celebrou o trabalho realizado pela Associação na inclusão e diversidade na sociedade. “O trabalho realizado pela ANAMT na inclusão de pessoas com deficiência vai abrir portas para muitos trabalhadores e criar empregos, muitos melhorarão seu padrão de vida graças a esse esforço. Parabenizo a gestão pelo seu trabalho”, observou.

Confira abaixo o discurso na íntegra:

A medicina do trabalho (não) é uma especialidade criada por lei

“A medicina do trabalho é uma especialidade criada por lei”. Quando ouvi isso de um médico muito graduado, respirei fundo. Era o início de meu mandato como a 1ª. mulher presidente da ANAMT, e ciente de meu papel, fiquei firme e “em cima do salto”.

Lembrei do primeiro relato de uma doença relacionada ao trabalho, uma intoxicação por chumbo, feita por Hipócrates. Preferi calar diante da indelicadeza do colega. Ou de sua ignorância ao confundir o reconhecimento de uma especialidade com uma exigência legal de o empregador financiar um serviço de saúde no trabalho. Respirei fundo porque sei que as verdadeiras mudanças exigem coragem e determinação, mas também são moldadas com serenidade, perseverança e sutileza.

Hoje, estou aqui para minha última reunião do Conselho Deliberativo da Associação Médica Brasileira, como presidente da ANAMT, e gostaria de compartilhar um pouco do muito que fizemos nos últimos três anos.

Nossa gestão foi sustentada em três pilares “valor, transparência e futuro”.

Foram muitas as ações e conquistas pela valorização da MT. Cito algumas:
• Inovações na Prova de Título, com adoção de prova informatizada e prova prática de habilidades, com aprovação de 1.491 novos especialistas até 2018.
• 15 Comissões Técnicas e parcerias importantes como com as universidades de Harvard e Stanford, além da cooperação com 14 sociedades de especialidades para elaborar o roteiro de avaliação de funcionalidade para Pessoas com Deficiências.
• Revista Brasileira de Medicina do Trabalho indexada no Lilacs e Scopus/Elsevier, e em processo de indexação no Pubmed/Medline e Thomson Reuters.
• Formação de 70 médicos gestores em parceria com o IBMEC.
• Maior presença na International Commission on Occupational Health (ICOH), com representantes no Board Científico e no Women, Health and Work Scientific Committee.
• Lançamento do PROMEDTRAB, curso de atualização a distância, em parceria com a Editora Artmed.
• Atualização das Competências Requeridas para a Medicina do Trabalho, em versão trilíngue.
• Nova matriz para programas de Residência Médica e apoio para o desenvolvimento de novos programas, em Rondônia e Alagoas.
• Promoção de eventos científicos que incluíram 4 seminários regionais, 3 fóruns nacionais, 1 conferência pan-americana, 15 reuniões científicas e um congresso a caminho, para o qual todos estão convidados para estar em Brasília, de 15 a 19 de maio. Presidentes de Sociedades de Especialidades terão isenção na taxa de inscrição.

Confesso que a transparência foi a parte mais difícil.

• Fixamos nossa sede em SP e regularizamos 23 pendências cartoriais acumuladas ao longo de 25 anos de gestão itinerante.
• Profissionalizamos todos os processos internos, criamos procedimentos de contenção de gastos, saneamos bancos de dados e adotamos gestão financeira por centros de custos
• Estabelecemos metas e indicadores de desempenho que foram acompanhados e amplamente divulgados.
• Abrimos as contas e publicamos todos os balancetes no portal da ANAMT e tivemos todas as contas aprovadas pelo Conselho Fiscal, sem nenhuma observação contrária.
• Instituímos repasses de Federadas com relatórios mensais.
• Infelizmente, foi preciso mexer em alguns vespeiros, em especial com algumas Federadas que há muito tempo não regularizavam sua situação. E quem mexe em vespeiro, desperta a ira de algumas vespas, mas isso não nos tirou do caminho correto.
• Chegamos em 2019 com uma nova ANAMT, completamente em ordem e pronta para novos desafios.

E por falar em desafios, não perdemos o olhar para o futuro.

• Com a sólida base construída, relacionamentos institucionais consolidados e espaço conquistado em entidades governamentais e não governamentais, a ANAMT está mais forte do que nunca esteve em seus 50 anos.
• Alcançamos quase 6.000 associados.
• E trouxemos a democracia para dentro da Associação. Este ano, todos os associados terão a oportunidade de votar à distância para eleger seus representantes, em um processo eleitoral inédito. Uma ousadia que naturalmente enfrenta resistências daqueles que tem interesses em processos menos transparentes e participativos.

É claro que ainda existem muitos problemas para enfrentar como, por exemplo a resolução do Conselho Federal de Medicina, que mudou de maneira equivocada e injusta as regras para o Registro de Qualificação de Especialista em Medicina do Trabalho. Que fique registrado aqui que vamos continuar lutando pelo reconhecimento e pelo respeito à Medicina do Trabalho, com a força de quem representa a 6ª especialidade em número de médicos no Brasil – caminhando para ser a 5ª.

Nossa gestão é coletiva, contando com mais de 100 médicos do trabalho na Diretoria Executiva, Conselho Editorial, Comissão de Título de Especialista, Comissões Técnicas, Conselho Fiscal e Conselho Deliberativo. Uma equipe plural sim, nem sempre concordante, mas coesa.

Hoje me despeço dos colegas dizendo “não”!
Não somos uma especialidade criada por lei.
Fomos forjados a partir das observações do médico Bernardino Ramazzini sobre o adoecimento de trabalhadores, em Modena, no final do século XVII.
Estamos organizados e representados no Brasil desde 1944 e, como ANAMT, desde 1968.

Por isso, continuo firme e “em cima do salto”.
Semeamos o bem e colhemos o orgulho de sermos Médicos do Trabalho.
Orgulho maior de lutar em nosso país pela saúde de todos os trabalhadores, incluindo nós aqui presentes, que somos trabalhadores médicos e que precisamos de cuidado e atenção.

Contem sempre com a ANAMT e que o próximo presidente possa encontrar, nesta casa, o mesmo apoio que eu encontrei.

Foi uma honra caminhar com vocês. Obrigada.

Dra. Marcia Bandini na reunião do conselho deliberativo da Associação Médica Brasileira (AMB)

By | 2019-03-18T10:27:13-03:00 15 de março de 2019|Institucional|Comentários desativados em ANAMT participa de reunião do conselho deliberativo da AMB