>>Por que Belém

Por que Belém

A ANAMT, em seus 50 anos de existência, nunca realizou um Congresso Nacional no Norte do Brasil. Após a eleição de sua nova diretoria, nossa Associação resolveu encarar esse desafio com o intuito de cumprir um de seus mais ambiciosos objetivos: o de integrar os Médicos do Trabalho de todo o Brasil. O desafio é maior ainda quando se pensa: o Norte é longe.

Mas a ANAMT é grande e combativa. Ficou decidido que o próximo congresso seria no Norte do Brasil, pela primeira vez. Em decisão dos vice-presidentes em sua primeira reunião, Belém foi escolhida para sediar esse evento que se reveste de importância ímpar para o Médico do Trabalho. E por que Belém? Querem saber por que?

Belém do Pará, conhecida como a “Cidade das Mangueiras”, em decorrência das centenas dessas árvores que anualmente dão seus frutos de graça a todos que passam por debaixo de suas copas frondosas, é perita em receber com seus vários pontos turísticos, gastronomia reconhecida internacionalmente e patrimônios histórico-culturais únicos. Essa singela cidade é mestra em encantar.

A capital paraense conta com uma diversidade de sabores, cores, aromas e paisagens únicas de uma cidade calorosa, a qual sabe recepcionar e cuidar de qualquer um que tenha o prazer de visitá-la.

Logo de início, temos o carro-chefe da singularidade belenense, nossa culinária! Com pratos exóticos, cujos sabores se mesclam entre as culturas indígena, portuguesa e africana, o tempero perfeito foi o que garantiu à Belém a melhor gastronomia do Brasil entre os visitantes que aqui estiveram em 2016, segundo dados do Ministério do Turismo.

O lugar onde se pode encontrar tal culinária maravilhosa e ainda por cima desfrutar do ponto turístico mais icônico da bela cidade de Belém é o Mercado Ver-o-Peso, considerado a maior feira livre da América Latina. Belém acorda cedo, ainda no escuro, para receber os barcos que trazem as mercadorias que movimentam esse belo mercado, dentre as quais se destaca o mais famoso fruto da região: o açaí, cujo o estado do Pará é o maior produtor e exportador do Brasil, segundo o IBGE.

Vale lembrar que o mercado do Ver-O-Peso guarda muito mais do que nosso “ouro” roxo, pois a possibilidade de se perder dentro dos cheiros, sabores e cores presentes nesta feira livre é tamanha, devido à sua atratividade sensorial indescritível. Cada aroma é único dentro de tão grande mercado. Os banhos de cheiros, as frutas regionais – tais quais o bacuri e o cupuaçu – as ervas e as especiarias complementam o cenário da agitação desta feira.

É preciso destacar que o peixe frito na hora, o tacacá, a maniçoba e o pato no tucupi são nossos pratos mais populares. Nosso tacacá, que é de origem indígena, é servido em uma cuia, com goma de mandioca, camarões, jambú, tucupí… tudo isso bem quente!

No que se refere à pontos turísticos, nossa cidade está sempre de portas bem abertas para que nossos visitantes desfrutem de toda a riqueza e história dessa cidade fantástica. Para se desfrutar de uma manhã adquirindo um pouco de conhecimento sobre nossa cidade, a Casa das Onze Janelas, ao lado do Forte do Castelo (a primeira construção da cidade), é um espaço recheado de coleções de arte moderna e fotografia de artistas locais e nacionais. E o melhor é que durante o período da noite pode-se aproveitar do maravilhoso restaurante Boteco das Onze, para degustar mais de nossa culinária em um belíssimo ambiente.

Quanto a desfrutar do fim de tarde apreciando um esplendoroso pôr-do-sol, a Estação das Docas é, sem qualquer dúvida, a melhor pedida da cidade! O turista que ousar se aventurar nessa paisagem única de nossa baía, que mais parece um litoral, desfrutará do vento do fim da tarde apreciando a vista do voluptuoso Rio Guamá.

O polo joalheiro localizado no antigo Presídio São José, hoje denominado São José Liberto, é local imperdível para quem quer comprar joias feitas por nossos artesãos com metais preciosos e pedras preciosas e semi-preciosas.

Mas fique atento! Nossa cidade também tem suas manias, e a mais corriqueira é nossa chuva da tarde, daquelas que pega de surpresa o mais antigo belenense. Então é sempre bom ter um guarda-chuva em mãos.

Belém é muito religiosa.

E, falando de religiosidade, Belém é internacionalmente conhecida pelo seu Círio de Nazaré, patrimônio imaterial da humanidade, celebrado anualmente desde 1793 no segundo domingo de outubro. Reúne cerca de dois milhões e meio de pessoas em todas as romarias e procissões que se estendem por suas duas semanas de festas. É a maior procissão do mundo e reflete a força religiosa e a fé deste povo amazônida que vive imerso nas águas do Amazonas e respira uma umidade que chega até 98% em determinados períodos do ano.

Nossa cidade é a cidade que abraça, que acalenta, que recebe, que cuida! Cuida do nativo ao estrangeiro, tanto que em 1910 os missionários suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, que aportaram em Belém sem conhecer nossa língua ou cultura, não só firmaram residência em solo belenense, como também foram os fundadores da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, que neste ano de 2020 estará completando 109 anos em Belém e hoje presente em 212 países.

Nossos jacarés não vão tropeçar em vocês, pois contamos com o estruturado Aeroporto Internacional de Belém – Júlio Cezar Ribeiro, que é o mais movimentado da Região Norte do Brasil em quantidade de passageiros transportados, ocupando a décima quarta colocação no ranking de aeroportos do Brasil por movimento.

Caros colegas, Belém aguarda ansiosamente cada um de vocês, e que tenham a oportunidade de contribuir para o enriquecimento da Medicina do Trabalho, para aprender mais sobre a nossa querida e importante especialidade e, claro, para desfrutar de tudo isso aproveitando e conhecendo essa capital nortista exótica e super calorosa (literalmente).

Por isso e muito mais, Belém foi escolhida para sediar o XVIII Congresso Nacional da ANAMT. Aguardamos ansiosamente a todos! Desde já, desejamos uma excelente estadia e o maior aproveitamento deste tão esperado evento!

Dr. Benones Carvalho é vice-presidente interino da ANAMT na Região Norte, bacharel em Medicina pela Universidade Federal do Pará, Médico do Trabalho pela Universidade Estadual do Pará, foi perito do INSS por 10 anos e atua como Médico do Trabalho em empresas de diversos setores da indústria.

By | 2020-03-03T09:26:39-03:00 3 de março de 2020|Artigos|Comentários desativados em Por que Belém