>>>Homens morrem mais que as mulheres por falta de prevenção

Homens morrem mais que as mulheres por falta de prevenção

De cada três mortes, duas são de homens. De cada cinco óbitos, na faixa de 20 a 30 anos, quatro são do sexo masculino. Além disso, os homens morrem mais que as mulheres em todas as faixas etárias, menos acima dos 80 anos, porque dificilmente chegam a essa idade, informou Carlos Sales Júnior, coordenador estadual de Saúde do Homem da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), durante o lançamento da Campanha Novembro Azul, em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém. Ele abordou a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, voltada à faixa etária dos 20 aos 59 anos.

Segundo o coordenador, os homens brasileiros vivem 7,2 anos menos que as mulheres, “e as principais causas desse quadro são o fato de os homens acharem que nunca vão adoecer, fazem diagnóstico tardio de doenças graves, não seguem o tratamento recomendado, estão mais expostos aos acidentes de trabalho e trânsito, utilizam álcool e drogas em maior quantidade, envolvem-se mais em situações de violência e não praticam atividade física com regularidade”.

Além das causas socioculturais, conforme Carlos Sales Júnior, há fatores de caráter institucional dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). Um deles é o fato de a saúde pública priorizar a saúde da criança e da mulher. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem só foi instituída em 2009, há apenas oito anos, e a maioria dos serviços ainda não se adequou para atender a esse público.

Um exemplo de obstáculo está nos horários de funcionamento dos postos de saúde, que inviabilizam o acesso dos homens ao atendimento. “Daí a necessidade de haver horários alternativos de atendimento, e é importante que os gestores municipais identifiquem isso e ofereçam um terceiro turno à população masculina”, sugeriu o coordenador, acrescentando que alguns municípios onde há projetos de mineração isso já acontece, o que facilita bastante a vida do trabalhador.

Outro obstáculo apontado por Carlos Sales Júnior é a dificuldade que os homens enfrentam para conseguir liberação do trabalho para tratamento de saúde, ao contrário das mulheres, que conseguem essa liberação para cuidar dos filhos e outros familiares.

Atenção primária

Em função disso, a maioria dos homens entra no SUS pela porta dos serviços de urgência e emergência, e não pela Atenção Primária, e ficam sem acesso aos serviços de promoção da saúde e prevenção, chegando ao Sistema com doença avançada, com menos chance de cura e maior custo social. “Está na hora de a sociedade perceber que cuidar da saúde não é coisa de mulher; é coisa de homem, também”, enfatizou o coordenador da Sespa.

Segundo a Sespa, em 2016, o Pará registrou, na faixa etária entre 20 e 59 anos, a internação hospitalar de 79.661 homens, dos quais 24.169 por causas eternas; 11.929 por doenças do aparelho digestivo; 10.613 por doenças infecciosas e parasitárias, e 6.615 por doenças do aparelho respiratório.

Almir Ramos Costa, aposentado de 73 anos, é uma exceção. Além de fazer seus exames anualmente, ele foi ao lançamento da Campanha Novembro Azul não apenas para participar, mas também para mostrar a dificuldade que os usuários enfrentam para fazer uma ultrassonografia da próstata em Ananindeua. “Participo das atividades educativas do Novembro Azul desde 2013, mas não consegui fazer a ultrassonografia pelo SUS em 2015, só o PSA. Então, tive que pagar pela consulta e exame particular”, disse o aposentado. A secretária adjunta da Sespa, Heloísa Guimarães, e Moisés Vaz, coordenador de Atenção Primária da Secretaria Municipal de Saúde de Ananindeua (Sesau), se comprometeram a resolver o problema.

Conforme Carlos Sales Júnior, para que essa realidade seja mudada é necessária maior adesão dos gestores municipais à Política de Saúde do Homem, que tem como eixos Acesso e Acolhimento, Saúde Sexual e Reprodutiva, Paternidade e Cuidado, Prevenção de Violências e Acidentes e Principais Agravos/Condições Crônicas; mais pesquisas na área de Saúde do Homem, e mais organização da sociedade civil.

(Fonte: G1)

By | 2017-11-07T11:45:11-02:00 7 de novembro de 2017|Saúde no trabalho|Comentários desativados em Homens morrem mais que as mulheres por falta de prevenção